mais menos | | Mais
Igreja de Setúbal: Família de famílias, a caminho com Maria

Peregrinação Diocesana a Fátima: 28 de Outubro

AFPS | 28/09/2017 08:09
A peregrinação da Diocese de Setúbal ao Santuário de Fátima realiza-se no próximo dia 28 de outubro, inserida no biénio da família e no contexto da comemoração do Centenário das Aparições de Fátima.

O programa inicia-se pelas 10h00 com a recitação do terço na Capelinha das Aparições. Segue-se, pelas 11h00, a celebração da Eucaristia na Basílica da Santíssima Trindade.

À tarde, a partir das 15h00, o painel “Fátima e Família”, também na Basílica da Santíssima Trindade, contará com a presença de vários convidados que ajudarão os peregrinos a refletir a mensagem de Fátima. O dia terminará com a oração de vésperas.

Para mais informações e inscrições, contacte a sua Paróquia.

Fotografia de Ricardo Perna


Nota:

A imagem de Nossa Senhora de Fátima divulgada no cartaz da Peregrinação Diocesana a Fátima está na Igreja de São Julião (Setúbal) e provém da Casa França, Porto, em 1948. A coroa foi comprada na ourivesaria Augusto Luís de Sousa Lda. (fornecedores da Casa Real de Espanha), Lisboa, em 1949.

O jornal “O Setubalense” nos seus números 906 (sábado 28 de maio de 1949) e 907 (2ª feira 30 de maio de 1949) reporta a vinda do Cardeal Cerejeira a Setúbal no domingo 29 de maio, para coroar de manhã, no Largo de Jesus, a imagem de Nossa Senhora de Fátima (vd. fotografia abaixo), antes de missa campal muito concorrida.

Terá dito: «Esta coroa de ouro e pedras preciosas que vos vou colocar é a homenagem sincera de fé e amor, do povo cristão de Setúbal. Aceitai-a Senhora! O melhor dela, são os corações daqueles que vo-la oferecem».

De tarde, em S. Julião administrou 451 crismas e de noite presidiu a uma procissão das velas a que, no dizer do jornalista, assistiram mais de 40.000 pessoas. O pároco (e vigário) que organizou tudo isto foi o Padre Mário de Carvalho.

Pe. Rui Rosmaninho, pároco da Sé e São Julião

Fotografia de Américo Ribeiro no livro «Setúbal. Imagens da história religiosa no século XX», pp. 58-61

 

 

Comentários